domingo, dezembro 13, 2009

Li...

Trata-se da obra denominada Algemas da Liberdade – Diálogos -, publicada pela editora HD livros, lançada em 2009, escrita por Enildo Marinho Guedes.

Algemas da Liberdade – Diálogos – se estabelece em torno de um jovem que busca compreender algo que lhe pegou de surpresa e desprevenido na vida, e, como o próprio título sugere, através de conversas informais com os mais diversos tipos de pessoas, sobretudo com um amigo filósofo, acaba conseguindo atingir sua paz interior através da compreensão da vida e da morte.

Algemas da Liberdade se mostra pertinente naquilo que apresenta como proposta e consegue alcançar seu objetivo de dar ao leitor o conceito de liberdade como dependente de uma concepção teleológica, ou seja, a liberdade compreendida através da busca pelas respostas sobre as finalidades na sociedade, da humanidade e da natureza. Para se chegar a tal, deve-se percorrer o caminho da práxis, conforme uma investigação para desvendar as respostas e se libertar, e isso Algemas da Liberdade contempla de forma quase didática.

A questão do diálogo entre Alex e o filósofo Tales fez recordar uma outra obra literária, a novela O Mundo de Sofia, do escritor norueguês Jostein Gaarder, onde a garota Sofia estabelece uma relação filosófica, como em Algemas da Liberdade, em busca de respostas. Algemas da Liberdade não é didático como O Mundo de Sofia em relação a própria Filosofia, mas talvez retribua o leitor com a mesma essência e qualidade em se tratando de repassar conceitos da vida e ideais para reflexão.

O autor, Enildo Marinho Guedes, é alagoano, natural do município de Flexeiras, que fica aproximadamente a 60 Km da capital Maceió. É graduado em filosofia pura na Universidade Federal de Alagoas – UFAL, em psicologia no Centro Universitário CESMAC - Centro de Estudos Superiores de Maceió. É professor e doutor em lingüística pela Universidade Federal de Alagoas – UFAL.

Observações:
Infelizmente não tenho a imagem da capa do livro, tentarei consegui-la, e assim que o fizer coloco aqui.
O texto acima foi composto de trechos de uma resenha crítica que escrevi sobre o livro. Fui, de certa forma, contratado para escrever tal resenha. Foi uma leitura "não voluntária", mas, de qualquer maneira, não deixei de aproveitar o que tinha para ser aproveitado. Então, seria, de certa forma, um preconceito não registrar aqui mais essa leitura, pois já vinha fazendo isso com outras obras lidas nos últimos meses.

2 comentários:

José Minervino Neto disse...

Eu também já fui obrigado a ler não um, mas dois livros do Enildo, que foi meu professor na UFAL.
Não sabia que ele escrevia literatura.

BOCA DE CAÊRA disse...

bem, pelo que vejo seu curso deve ter lhe dado uma ótima formação sócio-política. apesar de perceber seu imenso esforço de querer estar no meio das lutas populares, como no caso da AMES, tambem percebo que sua mentalidade ainda está envolvida na idéia de seguir as leis vigentes, porém, caro estudante algumas vezes se é necessário fazer uso da ilegalidade para poder garantir outros tantos direitos naturais, que tanto nos é negado. o passe livre estudantil é um deles. a burocracia do sistema politico nacional, não pode ser obstaculo para a necessidade das massas. você é um dos poucos que ainda se interessam pelo assunto, por isso tambem me esforço para sempre propor e poder ajudar nesta resistência dos estudantes palmarinos. e esta necessita de muitas modificaçoões para poder triunfar. o que parece insanidade para uns,pode ser a libertação da maioria, então, o ato de pensar insano tem que desenvolver até se transformar em ações.